02 dezembro 2016

A morte, a vida e a hipocrisia de muitos

abortoaviao

A terça-feira começou com uma triste notícia. O avião que levava a delegação da Chapecoense, time do sul do país, que seguia para Medelín a fim de tentar um feito memorável, a conquista da Copa Sul-Americana, caiu a poucos quilômetros da capital da Colômbia pondo fim ao sonho do título e dando início a um terrível pesadelo para os familiares dos jogadores, comissão técnica e jornalistas que seguiam junto.

A comoção foi grande. Homenagens e mensagens de apoio podiam ser vistas durantes todo o dia na rede mundial de computadores e mais evidentemente nas redes sociais.

Nunca nos acostumaremos com a morte. Por mais que saibamos que este é o fim de todos os homens, pois “aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” (Hb 9.27), a dor da separação é grande e sempre sentida. Prova é que o Brasil e o mundo juntaram-se aos familiares das vítimas na tristeza por tão grande tragédia, a morte de 71 pessoas em um dos momentos mais alegres na vida da maioria delas. Para piorar, houve rumores de que o problema da aeronave foi falta de combustível, o que aumentou a revolta de muitos, pois pensando apenas em si mesmo e no lucro com a economia, o dono da aeronave teria causado a morte de tantos outros.

Inacreditavelmente, enquanto o país guardava luto por conta da tragédia que ceifou vidas, na noite da mesma terça-feira o STF decidiu de que a prática do aborto nos três primeiros meses de gestação não é crime. Por mais que seja uma decisão a respeito de um caso específico, o entendimento do STF pode se tornar norma para outras instâncias.

Aborto é assassinato, é a quebra do sexto mandamento. A tragédia com a delegação da Chapecoense foi terrível, mas o que aqueles que deveriam ser os guardiões da justiça do país fez é ainda mais. Suas mãos estão cheias de sangue.

Triste é saber que muitos dos que disseram estar tristes por conta da morte dos jogadores acabam apoiando o assassinato de uma vida indefesa. Sim, uma VIDA indefesa. Por mais que este mundo sem Deus discuta a respeito de quanto começa a vida, Davi, ao registrar a Palavra inerrante do Senhor, afirma: “Pois tu formaste o meu interior, tu me teceste no seio de minha mãe. Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; [...] Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda” (Sl 139.13,14a,16).

Os argumentos pró-aborto são ainda mais tristes, exatamente por serem tão tolos. A começar, por exemplo, pelo voto do ministro Barroso ao afirmar que criminalizar o aborto até o terceiro mês de gestação viola direitos fundamentais da mulher, como o da igualdade de gênero, pois “é a mulher que engravida, somente haverá igualdade plena se a ela for reconhecido o direito de decidir acerca da sua manutenção ou não”.

Pense em quão ridículo é esse argumento. É óbvio que homens e mulheres são diferentes. Se não querem levar em conta as funções dadas a cada um deles pelo Criador (vide Gn 1 e 2), alegando que o estado é laico, basta somente considerar a anatomia. Um tem útero e o outro não. Partindo do “entendimento” do ministro, daqui a pouco teremos homens entrando com processo contra sei lá quem, alegando a discriminação que é o fato de eles não poderem gerar um bebê. Os direitos têm de ser iguais, ora bolas!

Maternidade é um privilégio do Deus bendito, privilégio que leva o salmista a louvar àquele que milagrosamente “faz com que a mulher estéril via em família e seja alegre mãe de filhos” (Sl 113.9) e que fez de Maria uma bem-aventurada ao ter em seu ventre o Salvador, Jesus Cristo!

Mais ainda, se a mulher tem o direito de “interromper a gravidez”, será dado o mesmo direito aos pais (homens, para ficar bem claro), a saber, pedir que uma mulher assassine o filho, ainda que queira tê-lo, afinal, ela não o fez sozinho e ele não está disposto a ser pai? Será preservado aqui o princípio de “igualdade plena”? Faça-me o favor.

O que dizer ainda do argumento de que a mulher tem direito de fazer o que bem entender com seu corpo? Creio que quase podemos concordar com isso. Entretanto, em se tratando do fruto que está em seu ventre, o argumento se esvai, a não ser que se prove, cientificamente, que um ser humano tenha dois corações, quatro pulmões, etc. Continua, então, valendo a lei do Soberano Legislador: “Não matarás” (Ex 20.13)!

A vida humana, por se tratar da imagem de Deus, é preciosa. É o ser imagem de Deus que confere dignidade aos humanos e os diferencia de animais, esses, ironicamente, com leis que os protegem da morte, sendo colocados, na prática, numa categoria acima do homem. Vi numa rede social uma mesma pessoa que lamentava a lei sobre a vaquejada ao mesmo tempo em que se alegrava com a descriminalização do aborto. Como diz uma música secular, “o mundo está ao contrário e ninguém reparou”.

Alguns tentam ainda apelar para a Bíblia, tentando provar que a vida da mãe é mais importante que a do feto, logo, entre o bem-estar psicológico de uma mãe que não teria condições de assumir um filho e o “feto”, a dignidade da mãe é mais importante.

O texto usado é, geralmente, Êxodo 21.22-26, que diz que se dois homens brigando ferirem uma grávida sendo causa de que ela aborte, sem maior dano, quem a feriu deveria indenizar o que fosse exigido pelo marido. Mas se houvesse maior dano, então aquele que matou deveria ser morto. A questão reside em interpretar o que seria o “maior dano”. Na cabeça de muitos a ideia do texto é que se só o “feto” morresse deveria haver indenização, mas se a mulher também morresse, ou seja, se houvesse maior dano, deveria haver pena de morte.

Entretanto, não é essa a ideia do texto. Tudo ali gira em torno do bebê no ventre. O texto hebraico literalmente diz “e a criança sair” o que a NVI traduziu acertadamente como “ela der à luz prematuramente” (Ex 21.22). Então, a ideia é de que se dois homens brigarem e ferirem uma mulher grávida sendo essa a causa de a criança sair (prematuramente) sem maior dano, ou seja, viver, será paga uma indenização, mas se houve maior dano, a saber, a morte da criança que nasceu prematuramente, será aplicada a pena capital sobre aquele que causou a morte.

O que causa o problema de interpretação é que a palavra aborto, para muitos, remete somente à morte de um bebê na barriga, mas ela é usada em relação a um parto fora do tempo normal, ou seja, uma gravidez que foi abortada. A tradução Revista e Corrigida de Almeida usa o termo em relação a Paulo, quando ele diz que era um apóstolo “abortivo”, que a nossa versão traduz como “nascido fora do tempo”.

O texto, então, em vez de apontar para a maior dignidade da mulher em relação ao feto, os iguala, pois a pena capital era aplicada em casos de assassinato daqueles que são a imagem de Deus (Gn 9.6). É exatamente isso que o aborto é, repito, um assassinato.

Aqueles que se iraram com o rumor de que o egoísmo de uma pessoa que queria lucrar mais foi a causa da morte de tantas pessoas naquele voo, mas que defendem mulheres que pensam somente em si, não ligando se vão tirar outra vida ao abortar são incoerentes e hipócritas, pois a razão é a mesma: egoísmo. É preciso parar para pensar!

A igreja precisa estar bem firmada na Escritura a fim de não se deixar levar por discursos que tentam desumanizar aqueles que estão no ventre e deve lutar para protege-los, ao mesmo tempo em que prega fielmente a fim de que o Salvador, Cristo Jesus, salve e convença aqueles que são propensos ao assassinato de inocentes de seu erro.

2 comentários:

folton nogueira disse...

Que texto bom Milton! Parabéns.

Mas eu gostaria de destacar que a comoção maior foi por tantas mortes no avião: 71! Que coisa: um time todo de uma vez! Mas naquela mesma noite quantos abortos foram feitos? Creio que muito mais de 71. E de pessoas que, apesar de estarem em posição fetal, amarradas com o mais perfeito cinto de segurança (o cordão umbilical) foram sacadas pra fora como se fossem um tumor maligno.

Que Deus tenha pena de nossos ministros!
Que Deus Tenha pena de nós.

Fôlton

simeia miranda disse...

Concordo. Q Deus se compadeça .