03 setembro 2019

Jesus, o servo que foi exaltado

Se você é como eu, e creio que seja, o simples fato de pensar em passar vergonha o deixa desconfortável. Isso é algo natural, sobretudo por causa do pecado que ainda está presente, mesmo na vida daqueles que já se renderam ao Senhor Jesus Cristo. Como herdeiros de Adão, somos orgulhosos. Como afirma Mahaney, “embora ele [o orgulho] se apresente de formas e em intensidades diferentes, ele contamina todos. A questão aqui não é se o orgulho existe em seu coração; e sim onde ele se encontra e como se expressa em sua vida” [1].

É por conta disso que muitos chegam a ler com pesar a ordem de Tiago: “humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará” (Tg 4.10). Geralmente não vemos problema algum em sermos exaltados, mas a ideia de ter de se humilhar não desce bem.

Graças a Deus temos em Cristo um belo exemplo. Quando Paulo ordenou os filipenses que não fizessem nada por partidarismo ou para a glória de si mesmos, apontou para o exemplo de Jesus dizendo: “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se;
mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens.
E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz!”
(Fp 2.6-8 – NVI).

Pense no Senhor Jesus Cristo. Diferente de nós, ele não é um pecador, mas o Deus de toda a glória. A fim de assumir a culpa do seu povo e se dar por ele, teve de abrir mão de sua glória e tornar-se um de nós. Algo que sempre me impressiona é ler o relato do Evangelho de João em que Jesus está ensinando que é o bom pastor e que daria a vida em favor de suas ovelhas. O Rei da Glória está ali humilde, falando de sua obra em favor dos homens, e de repente, muitos dentre os judeus questionam: “Ele tem demônio e enlouqueceu; por que o ouvis?” (Jo 10.20).

Você já se imaginou no lugar de Jesus? Já pensou no que faria se tivesse todo o poder e fosse afrontado de tal maneira? Para piorar, enquanto ele agonizava na cruz, muitos debochavam dizendo, “Ó tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! Salva-te a ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz!” (Mt 27.40). Fosse eu ali, talvez eu só estalasse os dedos a fim de fulminar a todos. Mas em ambas as ocasiões, Jesus guardou silêncio e continuou em sua missão.

O que está por trás de tudo isso é o seu amor a Deus e ao próximo. Lembre-se que o resumo da lei é exatamente esse. Quando, em vez de amar a Deus e ao próximo, amamos a nós mesmos e queremos satisfazer a nossa vontade, buscando a nossa própria honra, pecamos. Para que haja humildade é preciso haver antes amor a Deus e aos homens. Jesus, humilhou-se para honrar o seu Pai e para servir ao seu povo, cravando na cruz os seus pecados.

O Breve Catecismo, respondendo a pergunta “Em que consistiu a humilhação de Cristo?”, ensina que “a humilhação de Cristo consistiu no fato de ele nascer, e isso em condição humilde; em ser sujeito à lei; em sofrer as misérias desta vida, a ira de Deus e a maldita morte na cruz; em ter sido sepultado e permanecer debaixo do poder da morte durante certo tempo” (Pergunta 27 do BCW).

O Deus de toda a glória, o doador da vida, humilhou-se, fez-se servo e morreu em favor do seu povo. Mas este não é o fim da história. Tivesse Jesus permanecido morto, estaria provado que ele não passava de mais um pecador, que merecia o salário da morte. Para ficar evidente que ali estava o Santo de Deus e para que o homem pudesse encontrar redenção, o Pai o exaltou.

“A exaltação de Cristo consiste em sua ressurreição dos mortos no terceiro dia, em sua ascensão ao Céu; em estar sentado à mão direita de Deus Pai; e em vir para julgar o mundo no último dia” (Resposta à “Pergunta 28 : Em que consiste a exaltação de Cristo?”). O apóstolo Paulo, após apontar aos filipenses a humilhação de Cristo como exemplo a ser seguido, continuou dizendo que “Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Fp 2.9-11).

Sim, Jesus Cristo foi exaltado pelo Pai e um dia retornará com grande poder e glória. Neste dia, todos estarão de joelhos diante dele, mas em situações distintas. Aqueles que o receberam pela fé, para serem exaltados com ele. Aqueles que o rejeitaram, para receberem a punição pelos seus pecados.

Ao compreender isso você conseguirá lutar contra o orgulho e viver em humildade diante do Senhor, afinal de contas, Jesus não é só um bom exemplo. Ele é aquele que o liberta do pecado, concede a você o seu Espírito e o capacita a amar a Deus e ao próximo, não buscando seus próprios interesses. “Ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente”. Você pode imitá-lo, pois como disse Pedro aos seus leitores, “estáveis desgarrados como ovelhas; agora, porém, vos convertestes ao Pastor e Bispo de vossa alma” (1Pe 2.23,25).

Se você ama a Cristo, tenha plena certeza de que mesmo os momentos em que você enfrentar situações vexatórias e humilhantes, contribuirão para o seu bem, formar em você o caráter de Cristo (Rm 8.28). Em Cristo, você pode cumprir, pelo poder do Espírito Santo, o que Pedro ordenou aos crentes: “Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1Pe 5.6-7).

Descanse em Jesus, o humilde servo que foi exaltado!


[1] C. J. Mahaney. Humildade, verdadeira grandeza, p. 28 – Ed. Fiel

0 comentários: